quinta-feira, 4 de abril de 2013

O grande dia!

Alô alô, povo brasileiro!!!! Meu povo e minha pova!!! Um viva à Diva desaparecida, sumida, abduzida!
Aêêêê!!!!
=)

Ausente aqui, mas sempre presente no bom e véio feicibuqui! Hehehehe! Não tem local mais fácil para publicar pensamentos insólitos do que o feici, né? Hehehehe!

Falando em feici, vocês que me leem aqui e que são meus amigos por lá já sabem da grande novidade da última semana...

"Qual novidade, Diva? Tá grávida?"

Aff! Não, meu fío! Não-tô-grá-vi-da. Ok? Vira o disco!
Huahuahuahuahua!

EU ME MUDEI!

"Ah... É isso..."

É, fío! É isso! A notícia mais aguardada desde o não-fim do mundo! O acontecimento mais esperado desde o dia 27/06/2011!

"Que dia é esse, Diva? Foi o seu aniversário de 18 anos?"

Que gentil que você é, fío... não, 27/06/2011 foi o dia em que começamos a reforma. A reforma que parecia não ter mais fim. A reforma eterna. A fóóóócking reforma...

YESSSS!!!! NÓS VENCEMOS A REFORMA! A REFORMA NÃO ACABOU COM A GENTE (por um triz, hehehe!)

Desde o dia 28/03/2013 eu e o marido estamos instalados no novo lar, cercados de muitas caixas, muita bagunça, coisas sumidas, TV no chão, computador sem internet... mas isso pra mim não é nada! NA-DA! 

Eu já estava desesperançosa de um dia habitar o nosso apartamento. Já estava sem vontade de ir lá e ver a mesma sala vazia, os mesmos armários sem copos, a mesma varanda empoeirada... Sabe quando dá aquele desânimo na gente? Desde a nossa não-mudança, em dezembro, me faltava ânimo pra ir lá ou resolver qualquer pendenga relacionada ao apartamento.

MAS AGORA TUDO MUDOU!

Já abri um monte de caixas (e isso não me incomodou, de verdade - o que me incomodou foi o marido não estar participativo por conta da pereba dele), já guardei um monte de coisas (ainda bem que a nossa funcionária vai lavar tudo pra gente aos poucos, hehehe!), já estreamos a lava-louças, já estou no pique de comprar coisinhas fofas novas (ai, o site da Oppa... aquelas almofadas... hehehehe)... Ainda é um pouco estranho estar em outro lugar tão repentinamente. Nunca tinha vivenciado uma mudança.

Aliás, isso é engraçado. Quando me casei, mudei drasticamente de ambiente. Voltei da lua-de-mel diretamente para o apartamento "véio". Mas não fiquei cercada de caixas, de poeira, de bagunça, porque as coisas foram sendo entregues lá aos poucos. O sofá já estava lá, a geladeira foi entregue lá... Me lembro do dia em que a NET foi fazer a instalação. Mas agora, a sensação é diferente. Quer dizer, igual, só que diferente. É a sensação de novidade, de coisas a serem construídas, de uma vida nova, como logo depois do meu casamento. Mas vivenciar uma mudança, ver o seu antigo lar ser desmontado e um novo ser montado, é diferente. 

E o alívio de finalmente estar no lugar que você tanto sonhou? Realmente é como me disseram - nada do que deu errado nesses meses tem importância agora. Lógico que umas coisas emputecem a gente - tipo, os cabos pra NET que o nosso eletricista colocou e que não funcionaram (fuén!!), o armário laqueado que a empresa de limpeza arranhou (aliás, nunca contratem essa empresa... quem quiser saber qual é eu mando um e-mail, kkkkk), o vidro colorido da cozinha que ficou torto (apesar disso, o amarelo ficou lindão!)... Tudo isso irrita no momento em que a gente descobre, em que a gente percebe o problema. Mas no todo não tem importância alguma!

"Nossa, Diva, como você está uma pessoa superior!"

Fío, eu sou uma DIVA! Queria o quê?

KKKKKKKKK!

Tá, momento divaneio se encerra por aqui, kkkkkkkk!

Vou ficar devendo fotos da mudança por agora, porque ainda estamos sem internet em casa e eu não consigo abrir o Dropbox no trabalho para fazer o download... Depois eu atualizo o post com imagens, rs!

Até o próximo divaneio, pessoal!


quarta-feira, 20 de março de 2013

Piqueniqueando por aí

Ois gentes!
E aí, tchudo bem? Como têm passado? 
=)

O post de hoje é sobre um programinha singelo, mas agradável: piquenique. Programa totalmente no clima de mudanças e novidades de 2013, né?

A gente não levou cestinha - rolaram muitas "ecobags", hehehe!
Imagem retirada de http://quintaldicasa.blogspot.com.br/2013/01/piquenique-no-jardim.html

Quis compartilhar com vocês porque eu percebi que aqui em Brasília isso tem se tornado um programa cada vez mais frequente. E há vários locais possíveis para se fazer um piquenique por aqui... então, por que não? É bom mudar os ares, ver outras pessoas e aproveitar os bons espaços que a cidade nos oferece, não é?

(Observação nº 1: vou compartilhar um sonho de infância aqui - fazer um piquenique no balão do aeroporto. kkkkkkkkkkkk! É sério! Vai dizer que aquele jardim todo não é convidativo? Será que pode?)

Eu já tinha feito um piquenique com o marido na época em que a gente nem noivo era ainda (Ú! Faz tempo!) lá no Parque da Cidade. Mas não foi, assim, aqueeeele piquenique... a gente ficou naquelas mesas embaixo dos pinheiros, sabem? Um piquenique meio... meio... fajuto, por assim dizer, hehehe! Depois disso, nunca mais rolou nada...

Daí, no último domingo, fomos com parte do nosso grupo de amigos entitulado "Povo à toa" (hehehe - sugestivo, não?) lá pro gramado do CCBB aproveitar o fim de tarde/começo de noite. A ideia do piquenique partiu de uma das amigas à toa (que acabou não indo) e a sugestão de lugar partiu de um dos amigos à toa (que também acabou não indo). O local não poderia ter sido mais apropriado - é movimentado pra caramba, podemos ficar até à noite (tem iluminação e tals), tem estacionamento fácil, tem banheiro (limpo, importante ressaltar), o jardim é bonito, o gramado é bem cuidado, fora que o CCBB sempre tem alguma programação bacana, então dá pra dar uma voltinha se quiser.

Quem foi curtiu. Obviamente que a nossa bunda reclamou, porque afinal gramado não é tão macio assim, kkkkkkk! Ainda bem que eu peguei uma das almofadas que eu levei pro marido podrão (que estava e ainda está doente, coitado...) e usei pra sentar, kkkkkkk! No próximo nós vamos levar algo macio para nos acomodarmos, kkkkkkkkkk! Até porque a PVI faz a coluna doer, a perna adormecer e as juntas estalarem. Hehehehehe!

(Observação nº 2: PVI = Porra da Velhice Instalada, caso alguém não saiba...)

Eu sempre achei fofa essa história de sentar num local agradável e comer. E o tempo passou devagar, a tarde estava agradável, o dia com "sol entre nuvens"... Confesso que quando a gente chegou lá fiquei com medo de parecer farofeira, hahahaha! A gente levou uma caixa térmica, então ficamos com aquele aspecto "churrascada", sabecumé? kkkkkkkkk! Mas que nada! Tinha um outro grupo fazendo um aniversário-piquenique com uma penca de crianças correndo pra lá e pra cá - a nossa farofada ficou fichinha perto da criançada encapetada, hehehehe!

Vejam a montagem com algumas fotos para sentirem o clima da nossa tarde agradável (que durou atééé de noitinha...). Tô com vontade de piqueniquear de novo.
=)


Comida + gramado + sonzinho + amigos = tarde boa que só!

quarta-feira, 13 de março de 2013

Melhor que bombril

Gente! Não sei se isso quer dizer grandes coisas, maaasss... o meu blog teve mais de 1000 visualizações! Mais exatamente, 1007 até as 16h desta 4a feira chuvosa!

=)

E amanhã ele completa 2 meses de existência. Tá bom demais, né? Pra um blog que trata de tantas coisas diferentes (mas igualmente importantes, huahuahuahua!) e que os leitores são em regra amigos dessa que vos escreve... kkkkkkkk!

Uma curiosidade: fora os amigos brasileiros que me leem, tenho público cativo na Alemanha (43 visualizações), Estados Unidos (40 visualizações), México (10 visualizações), Reino Unido (8 visualizações), Suíça (5 visualizações), República Tcheca (3 visualizações), Belarus (2 visualizações), Holanda (2 visualizações) e Bélgica (1visualização). Quem eu conheço que mora na Belarus? Na Holanda? Sério? Hehehehe! Curti!

#divainternacional
#divapop

Então é isso - essa edição extraordinária do blog mais divinístico que existe nesse web-mundo se encerra por aqui.


Obs: O novo Papa é argentino. Nos lascamos com essa, hein? kkkkkkkkkkkkkk!
























domingo, 10 de março de 2013

Eu já sabia!



Eu já sabia. Sim, eu sempre pensei que isso poderia acontecer. Ou melhor, eu achava que essa era uma possibilidade bem real. 

"Do que você tá falando, Diva? Bebeu de novo?"

Não, eu não tô bebendo, gente. Tô tomando os remedinhos mágicos e não sou celebridade que mistura isso com álcool, kkkkkkkk!

Tô falando do meu sumiço... Sim, eu sumi. O mês de março chegou e eu não escrevi nada. Nadica. Zero palavras. Eu já imaginava que em algum momento faltaria assunto para falar aqui.

"Nossa, Diva, que susto! Achei que você tava grávida!"

Huahuahuahuahua! Idéia recorrente na vida das mulheres que não têm filhos...

Já completamos 10 dias no terceiro mês de 2013. Vocês acham que nada rolou nesse tempo? Que a vida da Diva que vos escreve tá uma pasmaceira? 

Que nada! O mês de março veio cheio de novidades para mim. Além de continuar comendo coisas verdes (DIARIAMENTE - quem poderia prever isso, não?), comecei o meu francês (já até tive dever de casa, hehehe) e mudei de setor no meu trabalho (tipo, foi pra sala ao lado e eu já conhecia os colegas, mas a atividade é um mundo novo para mim). Os treinos do livrinho continuam firmes e fortes e a última pesagem na reunião do Vigilantes mostrou que até agora eliminei 3,6 kg de gostosura. Além disso, o Elton John veio cantar no quadradinho e foi um furdunço só essa história.

"E o apartamento novo, Diva, tá legal?"

Não me mudei ainda. Prefiro não comentar esse assunto. Huahuahuahua! Mas tá quase, tá quase...

As folhinhas do calendário tão voando!!!
Na verdade, isso que eu escrevi aí em cima foi só uma demonstração de como o tempo passa rápido. O planeta tá girando mais rápido? Tá, eu sei que não sou só eu quem tem essa percepção... mas eu preciso confessar que de vez em quando isso me assusta. Não assusta a vocês? Há 10 anos eu estava no meu último semestre da graduação. Quanta coisa aconteceu nesse tempo! E parece que foi ontem que eu estava vendendo comidinhas no ICC Sul pra angariar din-din pra formatura, kkkkkkk! 

Outro dia fui passar umas fotos pro meu backup no HD externo e aproveitei pra olhar umas fotos antigas. As primeiras fotos digitais no meu arquivo datam de 2002. Caramba, taaaaanta coisa registrada! Tanta coisa realizada! Daí eu penso no tanto de coisa que a gente ainda tem a realizar... Mas o calendário não colabora, de jeito nenhum! Porque o nosso planeta tá girando mais rápido, hehehe! Vou completar 32 anos daqui a pouco, e eu me pego pensando que nunca no passado me imaginei com essa idade. Quando eu era criança (com uns 6 aninhos) eu achava o máximo as outras crianças que "já" tinham 9 anos. Kkkkkkkkkkkkk! Como elas eram "adultas" na minha visão, hahahaha! E eu sonhava em ter 9 anos. Olha que doidinha! Hahahaha! 

Enfim, não preciso ficar escrevendo um monte de coisa sobre isso... Só resolvi escrever aqui pra concluir o óbvio: o tempo passa, o tempo voa (e nem existe mais a tal Poupança Bamerindus, hahaha! Quem diria!).


quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Muda daqui, muda de lá


Oiês!

Sumi, né? 
Foi mals aê... culpa da CEB (troféu joinha pra ela...). Minha casa ficou sem luz 3 vezes desde a semana passada. Hehehe! Credo! Ninguém merece tomar banho frio, minha gente! Daí, quando eu tava decidida a escrever alguma coisa, não rolou.

(Observação nº 1: foi mals aê pra mim mesma, né? Huahuahua! A pessoa aqui tá crente que tem uma lista enooorme de leitores - #divaconvencida)

Mas voltando à vaca "fria" (a expressão é essa mesmo? Whatever...), vim aqui falar das cenas do próximo capítulo.

"Oxi, Diva, vai falar de novela agora? Não faltou luz na tua casa?"
Não é nada disso, fío! Eu não tinha dito que 2013 seria o ano da minha mudança? Da minha reviravolta? Então, como eu decidi ser uma pessoa sem medo e que vai se autodedicar mais tempo a si mesma (que bonito isso!), resolvi aprender coisas novas. Sempre bom exercitar o cérebro e previnir o Alemão, né? 
=)

A primeira coisa que eu decidi foi estudar francês. Queria ter começado em 2011, com uma amiga minha, mas por conta da maledeta reforma-eterna-sem-fim os planos foram sendo adiados semestre a semestre. Agora chega! Hahahahaha! Semana que vem começo o meu tão esperado curso de francês lá na Aliança Francesa. Oui! Como falei no feici, vou falar francês e ficar metida à beça, kkkkkkkkk! Meu órgão tem um bom incentivo pra quem quer aprender um novo idioma e eu nunca usufrui disso. Vou completar 5 anos de casa e achei que já tava passando da hora de fazer uma nova língua. Então simbora no francês que eu quero aprender muito além do que o ballet me ensinou, hehehehe! Quando eu souber falar "The book is on the table" em francês eu conto pra todo mundo, kkkkkkk!


Oh yeah, baby!

A outra coisa que me deu vontade de aprender foi a costurar. Olha que coisa! Minha mãe tinha uma máquina de costura véia em casa, minha irmã borda e eu nunca fui além de costurar fita de sapatilha de ballet e pregar um botão (mal pregado, diga-se de passagem). Esse ano me deu vontade de fazer umas costurices... Pra isso, o meu primeiro contato com uma máquina de costura EVER foi numa oficina muito legal que eu fiz com a Vivi, do Ateliê Basile. Fiz uma fronha fofa! Hehehehe! Tá certo que tudo o que a gente aprende precisa ser praticado e eu ainda não tenho uma máquina, maaaas foi ótimo estar em um grupo de mulheres fazendo uma costurinha básica e jogando conversa fora. O sábado passou super rápido e eu mal senti fome (aliás, preciso deixar aqui um elogio a mim mesma - estou mega forte todos esses dias, e a reeducação alimentar está "só suceeessoooo"!). Quando eu tiver uma máquina vou treinar muitas fronhas, kkkkkkkkk! 

Cupcakes só na fronha mesmo... nham nham nham!

(Observação nº 2: o #projetomenos10 já está quase #projetomenos7, kkkkkkkk! Belezura essas saladas e frutas que eu estou comendo tão regradamente!)

De qualquer forma, pretendo fazer outras oficinas/cursos não só de costura, mas de outros trabalhos manuais também. Adoro fuçar sites que tratam do assunto e acho que isso é uma boa terapia também. Então, por que não? Minha meta é tentar fazer uma oficina por mês, pra não pesar no orçamento familiar (#divaeconômica, #divamãodevaca). E assim eu conheço outras pessoas, exercito o cérebro, me distraio e faço algo produtivo aos finais de semana (tem fim de semana que é uma lesêra só, né?).

O post de hoje não foi tão revolucionário quanto o da salada (ou informativo quanto o do cabelo, kkkkk), mas já deu pra notar que nesse 2013 eu vou botar pra quebrar, né?

Tixáus!  

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Uma semana para mudar uma vida


Oi pessoal! E aí, tudo bem?

Curtiram muito a minha belezura no post anterior? KKKKKK! Buniteza, a gente se vê por aqui!

Vim aqui compartilhar uma coisa que provavelmente vai surpreender muita gente...

"Ai, Diva, o que é? O que éééé??? Tá grávida?"
(sempre que uma mulher tem uma novidade qualquer, alguém pergunta se ela está grávida...)

Não, não tô grávida! Por favor, não pensem nisso!
Acho que o que eu vou contar vai surpreender mais ainda... 

"Pô, Diva, fala logo!"

Então, eu falei que iria começar a frequentar os Vigilantes do Peso, não foi? Pois então, na última 6a feira eu e o marido fomos à nossa primeira reunião como membros do "VP". Sim, eu me pesei, está uma tragédia, mas nada que eu já não esperasse.

Como a idéia do VP é a reeducação alimentar e 2013 é o meu ano da mudança (nossa, que Diva-profunda!), comecei a comer salada. Pronto, falei!


"OH MY GÓÓÓÓÓD!"
  
"Nossa, Diva... (CATAPLOFT - a galera desmaia de emoção!)"

Huahuahuahua! Por favor, querido amigo, acorde do seu susto e leia novamente! 

EU, ANGÉLICA DIVA-DOIDA, EM PLENO (ou quase) EXERCÍCIO DE MINHAS FACULDADES MENTAIS, COMI SALADA. 

E não é só isso! Eu comi salada TODOS os dias desde sábado, dia 16/02/2013. É ou não é um espanto? 
=)

Não, eu não tive piriri. Não, eu não vomitei depois. Não, eu não fiquei com azia. Não, não senti nada estranho. 

"Diva, eu não tô acreditando. Só acredito vendo."

Caro amigo, posso te afirmar que eu comi. Tenho pessoas que podem testemunhar a meu favor, fora o meu marido (ele não é uma pessoa suspeita, já que a gente se sacaneia pra caramba e ele me desmentiria na hora!). E outra coisa: pra que eu iria inventar isso? Falar uma coisa dessas me coloca na berlinda. Um monte de gente vai chegar pra mim e falar: "Tá, come aí que eu quero ver... Óóóó! Comeu mesmo!". Então, inventar isso não seria uma estratégia muito boa, hehehe!

"Tá, Diva, então conta aí o que você comeu..."

Eu não posso dizer que tenha comido muitas coisas. Até porque estou no início desse mundo novo. Não vai me enfiar jiló goela abaixo, né fío? Daí cê tá querendo demááás!

Eu comi alface, cenoura, tomate cereja e beterraba. Fora a batata, que eu já comia, né? Mas tem que entrar na minha variedade de vegetais, kkkkkkkkk!

"Ah, Diva, fala sério... alface? Alface nem tem gosto de nada!"

Não tem pra você, mermão! kkkkkkkkkkkk!

Tá, eu já tinha comido alface antes na minha vida, mas o meu marido me mostrou que se eu comer com molho pra salada tudo fica melhor (ou menos pior, como queira, kkkkkk!). E a cenoura não fica tão mal se estiver cozida (crua eu achei meio pior) e com pimenta do reino. O tomate eu continuo achando nojento, mas é só comer no sanduíche que ele fica morninho e menos eca. kkkkk! A beterraba... bom, comi bem pouquinho e na rua, então não posso opinar muito. Apesar de gostar da cor, acho que o caldinho que ela deixa no prato é meio nojento também.

Mas, ei! Eu comi! VITÓRIA!!!!!!! 
=)

Só espero que na minha pesagem de sexta-feira tudo tenha valido a pena. kkkkkkkkk!
E que eu venha aqui postar estando 5kg mais magra.

Huahuahuahuahuahua!

Tchau, pessoas. Fiquem aí digerindo a salada que eu comi.

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Tapa na peruca - o retorno

Oi gentes!

Então, o título da postagem já diz tudo: chegou o dia em que eu tive que fazer toooodo o processo do Tapa na Peruca de novo... again... essa é a minha sina, o meu carma... 

Pois bem, dessa vez eu tive a "brilhante" ideia de tirar fotos. Há mico maior na face da Terra do que esse? É provável que sim, o ser humano é capaz das coisas mais retardadas que se possa imaginar (tipo, tirar foto do processo de tintura do cabelo...). Mas como eu não sei se todos acreditaram que eu realmente pinto as minhas madeixas e eu tava com muito tempo disponível nesse domingão à tarde, fiz esse registro. Vai ficar para a posteridade, na internet. Depois do meu mico pra tentar conhecer o Paul McCartney pelo concurso do Fantástico (quer ver a desgraça? Veja aí! O que é um peido pra quem tá cagado, né não?), acho que nada pode ser pior... Será?

Bom, aviso que as imagens a seguir são fortes... Se você que me lê neste momento for uma mocinha em início de relacionamento, não mostre isso para o seu namorado. Nem pro peguete. Nem pro pretendente. Não me responsabilizo pelo que pode acontecer com o seu futuro. O seu peguete/namorado/pretendente pode ter um piripaque, ou, o que é pior, se desiludir das mulheres. Huahuahuahuahua! Agora, se você é casada, você pode deixar o seu marido ver essa tranqueira a depender do relacionamento de vocês... o meu marido já viu essas imagens do inferno ao vivo, várias vezes. Não só isso: já sentiu o agradável aroma da amônia que há na tinta. KKKKKKK! Perfume sedutor! Mas eu não tenho muita opção, porque eu faço esse processo em casa, aos finais de semana. E o apartamento é pequeno, então... não vejo muita solução para o meu caso.

Não digam que eu não avisei...

Vamos em frente.

Primeiro, a listinha de itens necessários para o procedimento:

Nossa, quem vê até pensa que eu sou a maga da edição, huahuahua!
1. tinta ("Dêêêêrrr, Diva, não me diga?")
2. água oxigenada
3. luvas (Odeia essas luvas? Aguenta firme e use mesmo assim!)
4. potinho pra misturar a gororoba
5. pincel pra passar a gororoba no cabelo
6. pente de cabo fino (muitas utilidades, vocês verão)
7. píranhas (não as humanas, as de plástico mesmo. RHÁ!)
8. tira-manchas (primeira vez que usei esse troço)

Faltou o creme pra lambuzar a pele perto da raiz do cabelo, pra não manchar. Hoje eu usei tipo um creme pra pentear o cabelo e deu certo - vocês vão ver o antes e o depois já já, kkkkkkk!

Não vou descrever toooodo o processo de novo. Vou colocar as imagens. Se você não leu, volte lá no primeiro post sobre o assunto e aprenda comigo, kkkkkkkk! 

1. Reparta o seu cabelo ao meio. 

BUUUUU!!!!!!

2. Separe as várias partes do seu cabelo e use as piranhas. Não precisa ficar uma brastemp. A não ser que você tenha um olho nas costas, daí a exigência de qualidade é maior, obviamente.


BUUUUUU!!!! (Notem parte do meu drama ali na seta...)
Praticamente uma profissional da arte capilar... 

3. Misture tudo pra fazer a gororoba capilar.

Você consegue, fique firme e forte!

4. Colocou a luva? Altamente aconselhável que coloque... Antes eu passei o creme pra não manchar a testa. Note que tudo pode piorar... Aliás, as imagens ficam cada vez mais fortes. 

Tá gatchééénha, hein? Um tetéu!

5. Escolha uma das partes e vá fundo. Eu começo pela frente. Na verdade, acho que pela frente é mais fácil (hehehe, ô frase capciosa!). Utilize o pente pra dar uma organizada aí nos fios, sabecumé?

Tipo o Freddie Mercury Prateado... toda prateadinha!
Uma banda lambuzada...
As duas bandas lambuzadas. 

6. Lambuzou tudo? Eu uso toda a tinta, não deixo sobra não porque eu sou pão dura e acho que é desperdício uma pessoa com tanto cabelo branco deixar gotas de tinta pra trás. Hehehehe! Depois de todo o processo, você vai ficar linda que nem nas fotos abaixo.

TCHÃ-NÃÃÃ!!!
Nossa, com essa foto dá pra entender porque o meu marido casou comigo...  
Caprichosa, né? Olha onde foi parar a tinta... Quase fico cega! KKKKKKKK!
Não, você não está bêbada. Eu estava sem óculos (e sem lente, porque tenho medo do vapor desses troços irritar o meu olho e colar a lente, kkkkkkkkkk!)

6.1. Durante a espera, surge a outra utilidade do pente de cabo fino: coçar a cabeça, kkkkkkkk! 

Ô coceirinha boa! 

7. Depooois que der o tempo e você tirar a tinta, pode ser que ainda fique resquício de mancha na sua pele de bebê. Eu comprei o troço tira-manchas e funcionou bem. 

Sim, a sua toalha vai manchar. A minha mancha toda vez. Mas nunca ficou resto de tinta depois de lavar... Tá com medinho? Pega uma toalha véia!

Pronto! Cabou-se! Olha que tchutchuca você vai ficar depois! (Não tão tchutchuca quanto eu, afinal eu sou uma Diva e isso por si só já é uma tchutchuquice sem tamanho.)

3x4 e Fujioka.
Sumiu tudim! Uia que cousa!

Ufa!
Agora só repito esse processo láááááá no mês de março!
=)

Boa semana, gentes!


quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Feliz 1º dia 14!!!



Oi de novo!
Voltei rápido, né?

Então, voltei porque ontem eu vi que hoje o blog completa 1 mês de vida.
AÊÊÊÊÊÊÊ! VIVA NÓÓÓÓIZEEESSS!
=)

http://3.bp.blogspot.com/-myKAQEjnaiE/Tda18n9DL8I/AAAAAAAACHM/eFc5hW2hY60/s1600/bolo1.jpg
Um VIVA colorido pro blog!!! (Imagem retirada de: http://ideiaclip.blogspot.com.br/2011/05/desenho-de-bolo-de-aniversario.html)

Que bom que eu tenho conseguido escrever bobágis por aqui! Achei que não renderia tanto assim, hehehe!

Aproveito pra desejar ao meu marido (que não me lê - fazer o quê?) um Feliz Dia dos Namorados Mundial - ou seja, Happy Valentine's Day!
Huahuahuahua!

Não custa nada fazer esse agradinho, né? Já que eu teci tantos elogios ao "Hugh" no outro dia e ele ficou fazendo careta...  Hahahahaha!
=) 

"Gato-lindo", obrigada por estar ao meu ladinho há tanto tempo! Nós nos aturamos muito bem, não é? Hehehehehe! Tá certo que você me irrita um monte e eu te irrito outro monte... mas faz parte do amôôôôrrrr! Amo-te! 

Óóóóóunnn... eu sou ou não sou uma Diva-FOOOFAAA???
Gato-lindo do meu coração!
Arte de pré-escola, mas tá valendo!

Feliz Dia dos Namorados Mundial para todos que dão a honra e a disponibilidade do seu precioso tempo pra ler as minhas bobágis!

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

#projetomenos10



Oi gentes! E aí, como foi o Carnaval de todos?

O meu foi... rápido. Quer dizer, tá sendo, porque ainda não acabou, hehehe!

Mas todo feriado pra mim é rápido. Pra mim, toda semana podia ter um feriado. Ou todo fim de semana podia ter três dias... ou eu podia ganhar na mega-sena. Kkkkkkkk! A última opção é a de minha preferência!
=)

Mas não é sobre isso que eu vim falar não. Vim falar sobre um "projeto" que eu me propus na semana passada e que tá engrenando (o Carnaval atrapalhou um pouco, mas isso é mero detalhe). É o "Projeto -10: porque eu preciso entrar nas rôpa véia!". Joguei isso lá no feici na semana passada e percebi que foi uma boa oportunidade de realmente parar de reclamar do atochamento das roupas e fazê-las caberem em mim novamente, kkkkkkkkkkk!

O projeto consiste em basicamente uma coisa: perder 10 quilos ("Óóóóóó... jura, Diva???"). Por que 10 quilos? Sei lá, porque 10 é um valor redondo, porque 5 quilos não seriam tão eficazes para desatochar as roupas, porque 15 quilos seria uma meta exorbitante e impossível, porque eu acho que 10 quilos já me deixarão bem... ou tudo isso aí junto e misturado. Eu não sei qual o meu peso atual, porque a minha filosofia é "o que os olhos não veem, o coração não sente". Então eu não costumo subir em balanças. Tenho só uma ideia do peso porque em outubro fui ao cardiologista e soube qual o valor do estrago (e de lá pra cá algumas roupas atocharam mais um pouco, o que significa que esse valor desgracento aumentou).

O que me preocupou foram as minhas calças. Na verdade, uma calça em particular que rasgou na parte interna da coxa. Tá, essa calça já é velha, mas o problema é que as coxas ficam relando uma na outra e isso desgastou o pobre do jeans até ele rasgar. Por que não rasgou na batata da perna? Porque a minha coxa é gorda, não a batata da perna. Tendo sido sempre uma Diva-coxuda, só o fato da coxa estar ainda maior do que costumava ser é um problema. E se lembram da contenção de gastos que falei lá no post do cabelo? Então, eu não tô podendo comprar roupa nova - não na mesma velocidade em que as roupas velhas ficam atochadas, huahuahuahuahuahua!

(Observação nº 1: quando eu disse "O que me preocupou foram as minhas calças" eu quis dizer que isso foi a gota d'água... na verdade, a situação foi meio tensa, já que eu tava no trabalho e temi que o rombo na calça piorasse e ficasse aparente)

Bom, pra alcançar essa meta, vou por duas frentes (bastante óbvias): comer menos e me exercitar mais. 

Comer menos significa... comer menos! Eu só como tranqueira, então o meu objetivo para o ano será comer melhor... objetivo a longo prazo, em doses delicadas! Mas, pra ajudar na comida, eu pensei em voltar ao Vigilantes do Peso. Em 2005 eu frequentei e perdi 8 quilos (tá... eu recuperei todos eles, mas foi lentamente!). Na última 6a, levei o meu marido pra conhecer o sistema e assistimos a uma reunião. Marido gostou, então acho que nessa 6a a gente se inscreve. "Mas Diva, por que você não procura um nutricionista?". Porque: nutricionista vai me mandar comer coisas que eu não como; uma consulta do nutricionista sai mais cara do que a soma do pagamento das reuniões; no Vigilantes eu me peso toda semana ("Ué, é só se pesar numa farmácia! Ou comprar uma balança!" - NÃ-NÃÃÃO!!!); porque ouvir outras histórias é motivador; porque o Vigilantes tem as palestras motivacionais. Além disso, é uma tentativa, um início, né minha gente? Deu certo no passado, então acredito que dará certo de novo. 

Abril de 2005 - eu não achava que tava bom. Me contento com bem menos hoje, hahahahaha!

E a parte de exercitar mais? Bom, Eu já faço pilates 3x na semana (já contei que eu tenho artrite e sou podrona? Pois é...) e gosto muito, fora que me faz um bem danado. Não pretendo trocar o meu pilates por uma academia (não piso numa desde 2010). Na verdade, tava até querendo me matricular numa natação, numa arte marcial... em último caso, numa academia mesmo. Só que essas coisas estão o olho da cara (o pilates já é o olho da cara), e como ainda não rolou ânimo para a musculação, já antevejo que pagarei sem frequentar... Então, por enquanto, nos dias intercalados com o pilates meu marido e eu iremos retomar os treinos do "livrinho".

Meus pezinhos no meu lindo, delicado e fofo tênis de corrida pago em suaves (#not) 10 prestações. 

O que é o "livrinho"? O "livrinho" é esse livro da foto aí embaixo, chamado "Correr é fácil". Ele é toooodo colorido e feliz, cheio de histórias motivadoras e de dicas, e, pra completar, vem com uma sugestão de treino de 10 semanas para iniciantes para conseguir correr mais ou menos 5km, e depois ainda sugere treino para quem quer correr mais. Muito legalzinho esse livro. O nosso tá mega detonado, porque a gente tá sempre fazendo umas consultas, hehehe! Mas eu recomendo. 

O nosso "livrinho"

Não estabeleci uma data pra alcançar a meta. Tenho em mente na verdade uma ocasião (Tá, a tal ocasião tem uma data, mas a ocasião em si é mais importante do que a data. Sacaram?), mas o marido nem tá sabendo disso, kkkkkkkkkk! Nós dois precisamos emagrecer. Além de querer uma estética mais agradável aos nossos olhos, a saúde manda lembranças - famílias podres em ambos os lados mais os exames que estão em dia (os quais apontaram pré-perebas com potencial para se tornarem perebas consolidadas) nos fizeram acender a luz amarela. Então vamos nessa, né? Já tô tentando me esforçar em alguns aspectos, e espero que o marido me ajude em outros (ele consegue ser bem preguiçoso e marrento quando quer, por mais que isso espante as pessoas). Na verdade, vou começar a contagem oficial desse projeto no dia em que me pesar - o que deve ocorrer na nossa primeira reunião do Vigilantes, na próxima 6a.

O nosso progresso eu vou colocando aqui e no feici. Já que eu fiz essa tranqueira de blog, que ele me sirva de diário (ou semanário, ou mensário, ou whatever) de emagrecimento, né não?

Boa semana curta pra todos! Bjins!
=)




sábado, 9 de fevereiro de 2013

Miserávis!

Ei, gatinho, me dá o seu telefone?

Então, ontem eu comecei o meu Carnaval muito bem: fui ver Os Miseráveis no cinema. Com o tchutchuco do Hugh Jackman, não teria como eu não ver esse filme numa sala de cinema.

O "Hugh" é um caso de amor antigo. Quem nos apresentou foi o meu marido - afixionado por gibis e seus filmes, me levou pra ver X-Men no cinema. Não deu outra: foi amor à primeira vista! A primeira cena do Wolverine ficou marcada na minha memória. Em câmera lenta. Com requintes de crueldade, pq aquele Wolverine do filme era tu-di-bão-e-mais-um-pou-co!
=)

Bruto! (I like it!)


Não, o meu marido não fica enciumado. Ao contrário, desde então ele me leva para ver TODOS os filmes do "Hugh" no cinema. Até aquele em que ele tá carecão eu fui ver (A Fonte da Vida - filminho bem confuso pra mim, viu!). TODOS. E não é só isso: meu marido "me deu" de presente o blu-ray do filme "Wolverine" ("me deu" pq ele gosta desse tipo de filme, então...).


Fofo, essa sua cara de susto não me afastará de ti! Jamé!

Agora, de todos os filmes que eu já vi, o que ele está mais gato "ever" é "Austrália". Tá, o filme é meio arrastado (apesar de que eu não achei horrível), tem a Nicole Kidman "encerada" e tals, mas ele tá gato. Ele tá um espetáculo. Ele tá "mara". Ponto. Teve uma mulher no cinema (aquele que tinha no aeroporto, se lembram dele?) que simplesmente deu um suspiro e disse "Nóóóóóssa" quando ele apareceu na tela grande com esse ar de galã. Não fui eu, juro! Mas eu não tinha como discordar dela. E o meu marido só rindo da bestice da muierada, kkkkk!

 
Gato, não sorri assim pra mim que eu tenho um treco!


Bom, voltando ao filme lá de cima, Os Miseráveis é bem bom. Gostei. Nunca assisti ao musical no teatro pra poder comparar, mas eu achei o filme muito bem feito e as atuações muito boas (falou a entendida de cinema...). E o "Hugh" tá ótimo. Apesar de ser suspeita pra falar, achei a atuação dele muito boa. Não vi os outros filmes que concorreram com ele no Globo de Ouro, mas achei que "Hugh" foi merecedor do prêmio. Fora que eu acho que na 2a parte do filme ele dá um caldo. Um caldão, kkkkkkkkk! Mas isso eu sempre vou achar, então não se guiem por essa opinião, huahuahuahua!


Gato, a única coisa que vc não merece na sua vida é a sua muié feiosa. Liga pra mim pra gente conversar mais a respeito, ok?

Então, se vc curte musical, não tem problemas de coluna (o filme tem 2h40, então a minha coluna reclamou - mas eu sou podre), curte o "Hugh" (ou não), curte a Anne Hathaway, curte o Borat (sim, ele tá no filme. Não o Borat, o ator), gosta de história e de clássicos, é uma boa pedida. Bom filme! E bom "Hugh" pra quem gosta dele (mas com moderação, pq ele é MEU!).

(Observação nº 1: peguei todas as fotos em sites diversos pelo Google.)

(Observação nº 2: ontem marido viu que tem um outro filme do "Hugh" em cartaz. Ele falou pra gente ir. Não é um fofo? Tô falando do meu marido agora... )

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Leio ali, escrevo acolá

Eu leio muito. 

Não, não leio muitos livros. Confesso que sou preguiçosa para eles (e um péssimo exemplo para futuras gerações). Nem posso jogar a culpa disso na minha criação, porque a minha irmã lê muito - então, provavelmente, o estímulo maternal deve ter sido o mesmo. 

Também não leio muitas revistas. Não assino nada e acho que muitos dos conteúdos são rapidamente disponibilizados na internet. Fora que nem aquelas do tipo "Caras" ou "Contigo" eu folheio mais, porque, como disse naquele post do cabelo, eu não tenho ido a salões de beleza (fonte eterna de atualização fofocal).

Eu gosto de fuçar a internet. Leio sites de notícias, blogs de decoração, cosméticos, viagens, entro em sites de lojas e de compras coletivas, etc. Se me mostrar um site/blog novo que seja bonitinho e de assunto que me interesse é provável que ele entre na minha lista de favoritos, só pra facilitar a minha leitura (vou lá e clico rapidinho!). Até blog culinário eu leio de vez em quando, como vocês podem ver ali na aba de coisas que eu leio ("Quem diria, logo você, Diva, que não come nada?!?!" - pois é, eu procuro receitas de vez em quando, kkkkkkk).
Uma coisa que eu gosto muito de ler são aqueles posts de "faça você mesmo" (ou "DIY", para os falantes do inglês). Já até me arrisquei a fazer umas coisas em casa inspirada nesses posts. Tanto que tem gente que olha pra mim e já me pergunta se eu quero uma garrafa vazia pra eu pintar, kkkkkkk!  "Pode me dar, tô pegando geraaaaalll"! Huahuahuahuahua!

Daí, outro dia, pensando justamente nessas coisas que eu gosto de ler, me veio à cabeça o porquê disso. Lembrei que quando eu era criança minha mãe e minha irmã faziam uns enfeites de Natal (árvore de laços - mega fofa), personalizavam as capas dos meus cadernos com papel de carta (levanta a mão aí quem mais colecionava? Deve ter um monte de pastas na casa do meu pai até hoje - se é que as traças não comeram tudo...), me ajudavam a deixar os trabalhos da escola bonitos e apresentáveis (sou da época do trabalho escrito no papel almaço, ou, pior, no papel branco usando só o fundo do almaço como guia de linhas...), minha mãe bordava umas fantasias minhas do ballet (ficava coisa fina - umas até foram furtadas lá de casa sabe-se lá por quem)... Então na minha casa sempre teve muito dessas coisas "manuais". Acho que vem daí esse meu gosto por ler coisas desse tipo.

Dos blogs que eu mais gosto de ler está o Casa de Colorir. A Thalita é a minha heroína, kkkkkkkk! Ela faz umas coisas tão bonitinhas! Esse é um blog que eu acesso diariamente para ver qual a novidade do momento (mentira! Agora eu recebo as atualizações pelo e-mail, muito mais prático! kkkkkkkkkkk!).

Ali do lado eu coloquei uma lista de alguns blogs que gosto de ler "de vez em sempre". Dê uma clicada e veja se alguma coisa te interessa também! E se você tiver alguma sugestão pra me passar, fique à vontade, porque eu curto mesmo esse compartilhamento de coisas boas!
=)

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Piri-piri-piripi-piri-pi! Ai, hum, aw!

(Observação nº 1: o post ficou longo. Aproveitem para treinar a leitura dinâmica, kkkkkk!)
(Observação nº 2: ainda vou colocar algumas fotos, prometo. É que não tive tempo ontem, kkkkk!) 

Eita! Findi em Pirenópolis! Carinhosamente chamada de "Piri"! 

Pirenópolis dispensa apresentações. É quase uma extensão de Brasília, hahaha! Ou de Goiânia, já que fica mais ou menos no meio do caminho entre as duas capitais.  A cidade é tombada pelo IPHAN, e não é pra menos - as ruas de pedra, o conjunto arquitetônico, as manifestações culturais - tudo justifica esse tombamento. E Piri tá cheia de "cachus" ao seu redor. Até novela já foi gravada lá (um viva à Sandy, aêêêê! kkkkkkkkk).
 
Tudo começou com uma idéia do meu marido. Ele achou na internet (não sei o que ele estava fuçando nesse dia que chegou a esse assunto) uma empresa que organiza rafting no rio Corumbá, pertinho de Pirenópolis. Ele queria me arrastar pra fazer esse troço, kkkkk! 

"Até parece, fío! Eu tenho amor à minha vida!".

Mas nessa história de querer fazer o rafting e conseguir pessoas para o grupo (tarefa que foi até fácil - tem muito mais gente doida por aí do que eu supunha, kkkkkk!), surgiu a idéia de irmos passar logo o findi todo na cidadezinha. Uai, idéia lógica! Poderíamos ir na sexta, o povo faria o rafting no sábado, curtiríamos a cidade e se o tempo estivesse bom ainda poderíamos aproveitar uma "cachu", hehehe! E dessa forma eu poderia ir para o passeio e ficar só curtindo "Piri".

A minha relação com Piri nunca foi íntima. Quando eu era criança/pré-adolescente, eu e meus pais fomos umas 2-3 vezes passar o dia na cidade. Mas nunca tinha dormido lá, muito menos ido a cachoeiras (que são boa parte do atrativo local). E durante a minha idade "jovem" (ou seja, durante a faculdade e vááááários anos de namoro com o marido) só fui pra lá uma vez, numa saída de campo de uma disciplina da UnB (mal passamos pela cidade, porque acampamos no mato - credo! Hahahaha!). Ou seja: eu praticamente só conhecia Piri no esquema "Oi, tudo bem?" "Bom dia/Boa noite!" "Até a próxima!" - intimidade zero!

Dessa vez o esquema foi diferente. Primeiro, o marido descobriu a Itakamã, que é uma empresa que organiza vários passeios de aventura. Fez o contato com eles e saiu em busca de quem se animava pro rafting. Quando resolvemos ir pro fim de semana, buscamos sugestões e orçamos algumas pousadas. Acabamos escolhendo o Rancho do Ralf, que é bem ajeitadinho e com localização boa. O nosso quarto estava com um cheirinho de mofo, mas esse mês de janeiro está bem "úmido" por essas bandas, então achei excusável esse problema. Como tudo mais estava excelente, recomendo (pessoal bem prestativo, café da manhã delicioso e a localização bem boa - fomos à pé para a Rua do Lazer, acho que dá uns 600 metros até lá).

Sala de café da manhã do Rancho do Ralf

Passeio organizado e pousada reservada, nos preparamos para sair de Brasília na sexta fim de tarde (alguns mais cedo, outros mais tarde). Optamos por ir pela BR 060, virando em Abadiânia rumo a Pirenópolis. A estrada é duplicada em boa parte do caminho, então a viagem rende bem. E logo antes de Abadiânia tem o Jerivá e o Sabor Goiano, ótimas opções para uma esticadinha nas pernas, um xixizinho e uma boquinha básica, hehehe! Uns buraquinhos na estrada depois de Abadiânia, mas nada que os nossos carros já não conheçam (né?).

Chegando em Piri, largamos as coisas na pousda e fomos encontrar o povo que já tinha chegado lá na tal Rua do Lazer, que é cheia de restaurantes e bares e fica fechada para os carros durante todo o final de semana. Fomos ao restaurante Encontro Marcado. Comida e música boa - tinha uma dupla tocando uns "pop rocks" (o que já é lucro, em vista da possibilidade de música sertaneja), mas depois que ela parou de tocar rolou rock clássico - excelente e muito melhor, kkkkk!. O rafting seria na manhã de sábado, mas o dono da empresa teve um problema e não conseguiu se deslocar pra Piri na sexta à noite - rafting transferido para sábado à tarde, e o povo pôde beber "à vonts", hehehe!

Rua do lazer


Comilança no Encontro Marcado

No sábado pela manhã fomos dar uma passeada por Piri (aproveitar o momento pré-rafting), dar uma olhada nas lojinhas e no casario (aliás, o centro histórico de Pirenópolis é uma graça, muito bem conservado). No nosso retorno à pousada, fomos surpreendidos por uma espécie de procissão de carros de boi da Fazenda Babilônia em frente à Igreja Matriz. Não sei o que era a ocasião - se o padre estava abençoando as vacas, se era alguma coisa tradicional ou religiosa, se todo fim de semana rola isso. Só sei que achei muito legal ver aquele tanto de vaca junto! Eu nunca tinha visto tanto boi de uma vez só, muito menos tantos carros de boi! Adorei! Hahahahaha! E o cheirinho de "bosta"? Tão campestre! Hehehehe! Relaxante!


Voltinha por Piri

Enquanto o povo foi pro rafting, eu e mais duas amigas sãs fomos bater mais perna em Piri. Comprei um tapetinho fofo (que eu não sei onde vou enfiar na minha casa, mas isso é mero detalhe) e um imã (eu faço coleção de imãs - sempre compro um de recordação dos lugares que eu visito - acho mais prático do que comprar canecas, hahaha!). Almoçamos lá pelas 15h no Bistrô do Cheff. A comida tava boa, mas demorou um século! E não tinha nem meia dúzia de mesas ocupadas... Fora que as toalhas estavam meio sujinhas, empoeiradas... enfim, não tivemos nenhum problema depois de comer lá, kkkkkkkk! O organismo humano é muito forte! kkkkkkkkk!

Os doidos no rafting (fotos: Itakamã Ecoaventura e Marcos Coimbra)

(Observação nº 3: Pirenópolis parece estar dentro de um buraco, cercada por morros por todos os lados. Pense num lugar quente. E úmido. E quente de novo. Eu sofri. Eu fiquei preguenta. Ainda bem que levei uma mala grande, huahuahuahuahua!)

As três mulheres sãs do grupo (ou seja, eu e as minhas duas amigas citadas ali em cima) voltamos à pousada e aproveitamos pra descansar (vai subir e descer morro pra ver se não cansa, vai?) antes dos aventureiros retornarem.  Lááá pelas 18:30/19h, o povo voltou. Todos exaustos. Doloridos. Contentes. Como recompensa, à noite fomos a um restaurante-antiquário chamado Bacalhau da Biba. Na verdade, como o restaurante já havia sido muitíssimo bem recomendado, saímos com a reserva feita de Brasília, pra não ter risco de perdermos a oportunidade de ir lá. O esquema do lugar é o seguinte: só vende pratos à base de bacalhau e tudo, asbolutamente tudo (inclusive os pratos em que se come, as taças em que se bebe, os talheres, as mesas, quadros, etc) está à venda. Obviamente, a um preço nada "amigável", já que são antiguidades. Imaginem a minha tensão ao ver o meu marido bebendo vinho (muito vinho) numa daquelas taças antigas e carésimas? Hahahaha! Mas tudo ficou bem, ninguém quebrou nada! E quem comeu bacalhau achou uma delícia! Daí, vocês me perguntam: "E você, Diva, que não come bacalhau? Comeu o quê?". Taí o pulo do gato, que é uma atenção muito grande ao cliente: quem não come um dos pratos da casa pode ir a qualquer outro restaurante da Rua do Lazer, escolher o que quiser e pedir para entregar lá no Bacalhau da Biba. Simples assim. Então, eu escolhi um risoto de linguiça do Empório do Cerrado. O prato veio montadinho, todo bonito e bem quentinho (O risoto veio empacotado numa folha. Não me perguntem que folha é essa - é verde, e eu não sei o nome. Marido achou que eu não fosse comer por conta disso. Tá bom que eu sou fresca desse tanto... hehehe!). Outra coisa boa é que eles não cobram rolha, e a tchurma já levou de Brasília os vinhos que iriam ser consumidos. Pense num povo que se esbaldou! O Seu Henrique, que é o dono, nos atendeu muito bem, levou um galão de um azeite "100% italiano" pra nossa mesa, conversou conosco. Tudo ótimo.

Bacalhau da Biba

Risoto de linguiça do Empório do Cerrado


Ah! Como é uma casa, cada mesa fica num cômodo. Como tínhamos reserva para 14 pessoas, ficamos numa sala grande, com duas mesas - uma enorme e outra redonda. A experiência não foi das mais baratas não, mas o prato na minha opinião dá pra três pessoas tranquilamente (só que o povo tava varado de fome por conta do rafting e mal sobrou azeite nos refratários, huahuahuahua! Então foram 5 pratos para 11 pessoas).

Como no sábado choveu pacas no fim da tarde/à noite, deixamos pra decidir o que fazer no domingo no próprio domingo. Estavam todos pregados mesmo, então a melhor opção foi dormir bastante e ver como estaria o dia. Daí, no domingão... um solzão... opção: CACHU! Aêêêê! kkkkkkkkkkk! O dia estava lindo, e depois do café da manhã reforçado fomos à Cachoeira das Araras, que fica bem próxima à Piri e tem uma infra razoável (e nada de trilhas para os estabanados e exaustos - só uma ponte meio tensa, mas que foi rapidamente vencida por todos, kkkkkk). Até eu, a friorenta-mor, entrei na água. Foi uma delícia, o barulho da água é muito relaxante! Curtimos um tempo razoável e voltamos à pousada para nos arrumarmos e passar a régua, pra poder pegar a estrada de volta ao quadradinho (na volta, pit-stop no Jerivá pra fazer uma "feirinha", hehehe! Doces, queijos, linguiça - casa abastecida, hahaha!).

Cachoeira das Araras - encerrando bem o findi!

Posso dizer que depois desse fim de semana a minha relação com Piri ficou mais íntima. Piri me deixou com dor na batata da perna, então acho que dá pra dizer que o nosso relacionamento ficou mais sério, kkkkkkk! Espero poder voltar mais vezes, porque fiquei bem relax nesse findi. Valeu, Piri! E pra quem não conhece a cidade, recomendo muitíssimo o passeio. Tudo excelente. Até o cheirinho de bosta!
=)

(Observação nº 4: meu relógio parou na hora em que saí do meu trabalho na sexta-feira. Foi um ótimo sinal de que o findi seria excelente, hehehe!)

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

A fé não costuma faiá



Eu admiro quem tem fé. De verdade. Porque a fé é uma coisa que não se explica, não é baseada em fatos. Tem-se fé. E ponto.

Me refiro à fé religiosa mesmo. Não a fé que se deposita na capacidade de alguém, por exemplo. Falo da fé em Deus, Alá, Maomé, ET de Varginha e etc. A fé em algo maior do que nós e que nos conduz pela vida, nos ajuda na tomada de decisões, que nos inspira a mudar, etc.

E porque digo que admiro? 

Acho que a vida de quem tem fé é mais fácil. Não no sentido de "Fulano tem uma vidinha fácil!", mas acho que quem acredita em "coisas superiores" tem mais facilidade em levar a vida. Mais facilidade em se conformar com determinadas situações e mais força para encarar outras. Depende, lógico. Por outro lado, também acho que quem não acredita em nada pode levar uma vida leve. Entendem o raciocínio? Eu penso que quem não acredita em nada maior não carrega o peso de determinadas regras e condutas (esqueçam as condutas moralmente aceitas pela sociedade - não é só disso que estou falando - tá, eu sei que o que é moralmente aceito pela sociedade tem o peso da religião - whatever!). 

"Ô muié confusa, gente!"

Então, hoje em dia eu não acredito em nada disso. Já acreditei em Deus, já acreditei em algo/alguém "superior" e hoje não acredito em nada. Aliás, acredito numa coisa: que a vida da gente é uma só, e ela acaba quando a gente morre. "Credo, que papo brabo, Diva!". É, eu sei. E apesar disso muitas vezes eu não levo a vida que deveria levar pensando dessa forma (p. ex., não deixo de discutir, fico às vezes tempos sem ver um amigo, etc). 

"Tá, tu é doida mesmo. Não fala lé com cré!"

O primeiro grande momento da minha vida em que claramente duvidei da existência de Deus foi quando a minha mãe morreu. Não fiquei revoltada, ao contrário, me conformei rapidamente com a situação porque percebia que não poderia ser egoísta em querer a presença de uma pessoa em agonia ao meu lado. De que forma uma pessoa em sofrimento poderia me ajudar? De forma nenhuma, pensava eu - aliás, eu também não me sentia capaz de ajudar a minha mãe naquela situação. Era sofrimento para todas as partes envolvidas, especialmente para ela, que estava doente. Ao mesmo tempo, eu também pensava que Deus (se ele existisse) era injusto - como é que Deus estava tirando a minha mãe de mim daquele jeito? Por que? Não me parecia lógica aquela situação! E obviamente que fé e lógica não são coisas que se dão as mãos. Depois disso, com o tempo, eu fui percebendo que não encontraria a minha mãe de novo - nem no Céu, nem em outro plano. Só nos meus sonhos e pensamentos (seriam os sonhos a vida em outro plano? Oi?). Percebi que tudo tinha acabado ali, naquele dia.

Depois, ao longo do meu curso de Biologia, eu fui achando cada vez mais incoerente essa história de Deus (ou qualquer outro ser superior, enfim...). Associando isso a tudo o que a gente aprende de história e as coisas que acontecem relacionadas a religião, PIMBA! Tudo isso passou a ser sem sentido pra mim. Eu tenho vários amigos e tive professores que não tinham o menor problema com isso (fé e ciência), mas pra mim havia muitos problemas sim... 

Tô misturando fé e religião no meu raciocíno, né? Eu sei que tem gente que acredita em Deus mas não frequenta Igreja, mas tem gente que leva a sua fé de forma muito exagerada...

Bom, eu comecei a viajar aí em cima porque ontem passei por uma sessão de conversão (na verdade, tentativa de conversão porque eu não fui convertida a nada) e esses pensamentos vieram à minha mente. Percebi que a minha medicação (sim, a psiquiatra me passou remedinhos) deve estar funcionando, porque ouvi por uma meia hora SEM PERDER A PACIÊNCIA que o meu vazio só será preenchido com o "amor de Deus", que remédio não vai suprir a falta dele na minha vida, que eu tenho que pedir a ele que me ajude a crer nele... Essas coisas todas (também ouvi que o Michael Jackson está no inferno, e que o moonwalking é um sinal do "inimigo" - eu acho então que a nossa vida "agorinhamente" deve ser o purgatório). Mas apesar de tudo o que eu ouvi e de não acreditar em nada do que me foi dito, achei que aquela pessoa se sente completa com a fé dela. Se ela não estiver fazendo mal a ninguém, isso é ótimo! E percebi que ela de uma certa forma se preocupa comigo (apesar de ter achado várias coisas que ela falou engraçadas), e isso é bom! Não é? Eu não rezo, mas eu penso nas pessoas que eu quero bem. De uma certa forma, esse "pensamento positivo" é uma oração, é uma corrente do bem. Não é?

Não pretendo provocar grandes discussões sobre religião, fé, ciência, etc. Acho que tem certas coisas que a gente não discute. A gente pode até não concordar com algumas coisas (como eu), mas devo respeitar quem não pensa da mesma forma, né?

Bom, é isso por hoje... só "divaneando" um pouco por aqui, hehehe!

Bjóks!

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

É orgânico?

Imagem retirada de: http://www.autossustentavel.com/2010/08/por-que-consumir-alimentos-organicos.html
Estranharam o título da postagem? E a imagem?

Quem me conhece deve ter estranhado, hehehe! É que quem me conhece sabe que as únicas coisas "verdes" que eu como são basicamente arroz, batata e banana! E isso nem é verde, hehehe! Tá, eu como outras coisas indiretamente. O ponto é que eu não como salada, legumes, frutas... essas coisas "imexíveis". 

Apesar disso, outro dia eu vi um post que até eu achei muito interessante num blog que eu adoro, que é o Quadrado (aliás, vou colocá-lo ali na lista de coisas que eu gosto de ler de vez em sempre). Esse blog é dedicado exclusivamente ao nosso querido quadradinho (vulgo DF, rs). Excelente mesmo. Bom, voltando ao tal post, entitulado "O mapa da mina orgânica", a ótima dica dele é um link para o mapa de feiras orgânicas do site do IDEC (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor). Que idéia excelente! Aliás, eu acho excelentes todos os sites que se prezam a informar as pessoas - no caso de empresas, já ganham muitos pontos aquelas que têm um site bem estruturado, com informações sobre o seu produto e se possível com o preço, pra eu não precisar gastar meu telefone e meu tempo com pesquisa "bocal" (o meu negócio é pesquisa "dedal" - um viva ao Google, kkkkkkkkk!). 

Não fiz promessas de comer melhor em 2013. Nem meu marido, que come até pedra, anda comendo direito. Mas eu boto fé nos orgânicos, apesar de ainda serem mais caros que os produtos "toxicados". Então, se um dia eu resolver comer mais coisas que não se deslocam, é possível que eu me dedique aos orgânicos, kkkkkk! (Apesar de que os meus vizinhos de "Clear Waters" vão observar que a nossa cidade é bem carente nesse quesito - nenhuma feirinha aparece nesse mapa, hunf!)

É isso. Que esse mapinha seja útil para vocês, comedores de cenouras e alfaces indefesas, kkkkkkkk!